principais jogos,Informações do jogo,jogos mais recentes

Terror analógico que desorienta chega ao Dead by Daylight

22 03
autor:admins|Classificação:notícias de jogos|Rótulo:Ação Sobrevivência

Talvez o estilo de terror mais famoso seja aquele que está por trás do jogo de ação e sobrevivência Dead by Daylight: assassinatos, histórias de fantasmas, criaturas mitológicas ou lendas urbanas. Ou seja, o conhecido.

Dead by Daylight

Porém, o que acontece quando um jogo como o Dead by Daylight se atreve a mexer com os medos sutis, refletivos e prolongados do terror analógico, mergulhando no desconhecido?

 

Uma porta na sua casa. Essa porta sempre existiu?


Uma série de corredores em um prédio antigo cheio de coisas provavelmente horríveis, se é que elas vão aparecer.


Os sons abafados e distantes de uma criança brincando em um cômodo iluminado apenas pela tela estática de um televisor antigo.


O que pode começar com uma sensação de confusão ou nostalgia logo vira desorientação e termina em suspense; suspense que não acaba mais. A ausência de significado, de uma ideia clara do que está acontecendo, abre espaço para a imaginação voar, geralmente em sua forma mais tenebrosa.


O terror analógico é um tipo de horror relativamente novo associado a filmagens misteriosas deixadas para trás, como popularizado pelo A Bruxa de Blair. Contudo, o gênero foi ressuscitado na internet por meio de canais do YouTube e fóruns do tipo "creepypasta".


Como o nome indica, ele é marcado por imagens de baixa resolução, geralmente produzidas com pouco ou nenhum orçamento, e apresentadas através de canais que imitam coisas como TV de acesso público, filmagens de câmeras de segurança ou fitas VHS antigas. Ainda é um subgênero crescente de terror que, por enquanto, só conta com um filme famoso que marca sua expansão entre os cinéfilos: o polêmico e difícil de assistir Skinamarink - Canção de Ninar.

Dead by Daylight

Agora, o Dead by Daylight, um jogo desenvolvido sobre os pilares do terror, muitas vezes recorrendo aos medos mais conhecidos e sanguinários, está ampliando seus horizontes para incluir esse subgênero relativamente esotérico.


No Dead by Daylight, os jogadores podem assumir o papel de um assassino ou de um entre quatro sobreviventes. Desde seu lançamento em 2016, a desenvolvedora Behaviour Interactive vem aumentando metodicamente o elenco de ambas as opções, além de expandir os mapas dos locais onde os assassinos perseguem suas vítimas em potencial.


Em 12 de março, o mais recente capítulo do jogo, "All Things Wicked", traz um novo ambiente, um novo sobrevivente e um novo assassino, todos nos moldes do terror analógico.


"Quando pensamos em analógico, pensamos na mídia, nas tecnologias antigas tipo fitas VHS", disse David Richard, diretor sênior de criação do Dead by Daylight. "Foi nisso que buscamos inspiração, mas não paramos por aí na nossa reflexão sobre o que o termo 'analógico' significa.


Na minha opinião, o mais divertido é que é misterioso, inconcebível. Trata-se de sujeitos visceralmente assustadores, mas você não sabe por quê. Não sabe ao certo o que está acontecendo, o que está se passando, mas você sente o perigo visceral."


E foi justamente a natureza do terror analógico (que depende tanto do desconhecido e da sensação de pavor) que dificultou a criação deste capítulo em particular e dos ingredientes que o compõem, segundo David.


"O mais desafiador para nós foi o fato de que boa parte do terror analógico é um terror prolongado, que é o oposto do que estamos acostumados a ver no Dead by Daylight, um tipo de jogo mais acelerado e tenso. Tudo ocorre em tempo real e a ação foge do nosso controle."


A equipe da Behaviour sabia que, para conseguir entrar nesse gênero, seria necessário encontrar uma forma de fazer com que o jogo de ação altamente intenso proporcionasse uma tensão mais duradoura, levando-a ao extremo até que ficasse insuportável.

Dead by Daylight

Não poderia haver nenhum grande susto repentino, pois isso arruinaria a sensação de terror crescente.


"Tivemos que convencer muita gente, pois nem todos concordavam que essa seria uma boa ideia", explicou David. "Traduzir isso em um multijogador assimétrico, no qual o equilíbrio é essencial, foi extremamente desafiador."


Ao criar o assassino, a equipe optou por uma versão deturpada de um humano tosco. Ele tem uma barriga protuberante ligada a ombros deformados que se curvam de forma nada natural e viram um pescoço alongado. O pescoço foi torcido tantas vezes, que a pele acinzentada acabou criando ranhuras, como as de um parafuso. Por cima dessa monstruosidade toda, a cabeça deformada exibe um sorriso perturbador. Os braços delgados ficam pendurados no corpo com mãozinhas retorcidas que seguram a arma do crime, como um machado gigante.


A aparência desconcertante do personagem foi inspirada em vários elementos, incluindo o filme de terror Sorria de 2022, de acordo com David. No entanto, depois que a equipe definiu o espaço dentro do qual a criação ocorreria, ele revelou que todos tentaram se esquecer das referências, focando-se em desenvolver algo totalmente novo.


Embora o elemento artístico da criação seja inquietante, não é bem isso que incorpora os princípios do terror analógico. Essa parte fica por conta das habilidades do Desconhecido.


A criatura ganha impulsos de velocidade quando um sobrevivente está ferido. Ela pode lançar jatos de veneno para enfraquecer os sobreviventes. Porém, a melhor parte é a capacidade do Desconhecido de criar alucinações e mover-se entre elas instantaneamente, tornando quase impossível saber quando uma criatura é irreal ou verdadeira. A única forma de o sobrevivente remover essas alucinações é ficar totalmente parado, olhando fixamente para a criatura.


David compartilhou: "A minha parte favorita do 'All Things Wicked' é a ideia do terror prolongado. Ele exige que o jogador fique parado com o olhar fixo. Essa é a intimidade do terror analógico, esse duelo entre a câmera (ou o jogador, neste caso) e o monstro que está à espreita."

Dead by Daylight

Nicolas Barrière-Kucharski, o criador do assassino, contou que a equipe foi desenvolvendo a mecânica enquanto elaborava o protótipo do personagem.


"A ideia meio que estava na nossa cara", disse o Nicolas. "Foi algo do tipo: 'Como criamos um terror prolongado?' É necessário criar uma janela de oportunidade, colocar esses personagens em uma relação muito forçada e ótima para o assassino, mas altamente assustadora para o sobrevivente, que precisa confrontar seus medos."


O capítulo All Things Wicked, que estreia hoje, também traz um novo ambiente e um novo sobrevivente.


Sable Ward entra no jogo em busca de sua melhor amiga, que sumiu. Ela vasculha Greenville Square, tentando descobrir o que aconteceu com a amiga.


Greenville Square, o novo mapa do jogo, inclui uma praça e um cinema local surpreendentemente vazio, com lanchonete, fliperamas e a sala de cinema em si.


David compartilhou que sabia que se distanciar do subgênero do terror mais universalmente conhecido de crimes violentos para examinar o terror analógico podia surpreender, mas que, no fim das contas, a equipe sempre se guia pelo que os jogadores querem.


"Eu gostaria de dizer que o analógico foi um tipo de aposta, mas isso não é verdade", ele explicou. "Sabíamos que a nossa comunidade curtiria bastante. É muito assustador. E é muito contemporâneo. Com base nas reações (dos testes pré-lançamento) e na campanha de marketing que fizemos com esses personagens, acho que daremos continuidade à ideia."


Dead by Daylight, All Things Wicked e os outros capítulos do jogo podem ser encontrados na Epic Games Store.


Navegar62 Comente0
return
Table of contents
return
primeira página
Por que SHRAPNEL está indo com tudo no "antecipado" do Acesso Antecipado Tomb Raider e as inúmeras faces de Lara Croft

Comente