principais jogos,Informações do jogo,jogos mais recentes

Por que SHRAPNEL está indo com tudo no "antecipado" do Acesso Antecipado

22 03
autor:admins|Classificação:notícias de jogos|Rótulo:tiroteio

SHRAPNEL não é uma experiência típica de Acesso Antecipado de multijogador. O jogo de tiro e extração em primeira pessoa tem apenas um operador para escolher, algumas armas e um mapa em grande parte inacabado ambientado em uma cidade japonesa futurística. Faltam algumas texturas em construções e outras superfícies, além de haver formatos geométricos básicos como placeholders para futuros conteúdos. É basicamente um ambiente do qual se sabe pouco, uma etapa inicial no processo de desenvolvimento que o público raramente vê em um título jogável como este.


Mas para a Neon Machine de Seattle, era esse o ponto: fazer a comunidade se envolver o mais cedo possível e aprimorar o mapa e a jogabilidade da extração do SHRAPNEL com base em feedback. O layout indefinido permite à equipe fazer alterações grandes e iterar o mapa com o tempo, uma tarefa que teria sido mais difícil (e muito mais cara) se tivessem lançado um mapa polido com todos os recursos adicionais de um lançamento completo.

SHRAPNEL

Entretanto, isso não deixa as coisas menos assustadoras para os desenvolvedores veteranos da Neon Machine, alguns deles tendo trabalhado em franquias grandes como Halo, Call of Duty e BioShock. Eles estão acostumados ao caminho mais tradicional, seja não mostrando nada para o público até o jogo ser finalizado ou lançando demos sob condições extremamente controladas em uma convenção ou feira de negócios.


"A comunidade está realmente moldando o jogo, e serei honesto: é bem assustador colocar algo com tantos problemas e incompleto na mão dos jogadores. Não estamos nada acostumados com isso", disse o CEO da Neon Machine, Mark Long.


Apesar dos temores iniciais, a equipe sabia que deixar o público jogar SHRAPNEL no estado pré-alfa — atualmente, apenas jogadores que compram um dos Extraction Packs (Pacotes de Extração) têm acesso — foi o jeito certo de construir o jogo multijogador ambicioso deles. Conhecidas como SHRAPNEL Training Exercises (Exercícios de Treinamento Shrapnel, STX), cada uma dessas sessões online dura três dias por vez, possibilitando à Neon Machine deixar o jogo offline e melhorá-lo por algumas semanas antes da próxima STX.


Os testes não são apenas para encontrar bugs, uma vez que a Neon Machine já tem uma equipe de QA robusta para isso. A equipe acredita que coletar feedback dos jogadores em uma etapa tão embrionária do processo ajudará a criar a melhor versão possível do SHRAPNEL antes de ele ser lançado como um jogo gratuito em 2025.


"Fazemos um teste em comunidade toda quinta-feira aqui no estúdio. E o motivo disso é termos ao menos um ponto de contato com nossa comunidade toda semana e deixar que vejam quais atualizações estão vindo por aí", diz o produtor, Dave Johnson.


"É por isso que escolhemos esse modelo de STX. Queríamos poder colocar o jogo online, receber um pouco daquele feedback inicial, e depois deixar ele offline e reagir ao feedback. Já vimos que isso tem efeitos grandes e positivos no aprimoramento e estilos de jogo — que é basicamente tudo o que tem no jogo."

 

SHRAPNEL

Mirando alto

SHRAPNEL representa um encerramento de ciclo para Long, que pensou nesse nome décadas atrás. Ele tem a URL de Shrapnel.com desde 1995, e isso virou uma piada interna entre os colegas. Sempre que ele tinha uma ideia para um jogo novo, a primeira coisa que diziam era, "Deixa eu adivinhar, o nome é SHRAPNEL?"


Em 2020, a equipe de publicação liderada por Long na HBO Interactive se separou para formar a Neon Machine. No começo, ele achou que trabalhariam em uma propriedade intelectual licenciada como Game of Thrones, mas decidiu mudar a abordagem e finalmente continuar com o SHRAPNEL após consultar com uma recente empresa de jogos de Web3. Long saiu daquela experiência acreditando que o espaço de jogos em blockchain era "um oceano azul de oportunidades".


A tecnologia de blockchain era um encaixe perfeito para uma ideia de jogo que Long tinha, inspirada pelos seus filhos. Ele assistia enquanto criavam os próprios mundos e aprendiam a programar visualmente no Minecraft, e à medida que ficaram mais velhos, foram para ferramentas de criação mais avançadas em jogos como Roblox e Fortnite. Mas Long percebeu que não existem muitos jogos que seus filhos (ou outros criadores de jogos iniciantes) podem jogar que possibilitem a eles continuar melhorando as habilidades após se tornarem adultos.


"Acho que os jogadores estão prontos para isso. Penso que cresceram aprendendo a [criar conteúdo], e acho quase ridículo que ninguém tenha focado nisso de verdade", diz Long. "Então, parte da ideia era: existe uma forma de dar ferramentas de conteúdo de nível profissional para criadores que são jogadores regulares, como as que usamos [enquanto desenvolvedores]? E a segunda parte da tese foi, 'Nossa, blockchain é uma tecnologia de base de dados gratuita que oferece atribuição e pagamento contínuos.' Se eu quisesse fazer isso sem blockchain, seria absurdamente caro e complicado."


A Neon Machine escolheu fazer um jogo de tiro e extração de ficção científica, buscando inspiração em Escape from Tarkov e outros gigantes do gênero. SHRAPNEL se passa em 2044, alguns anos após um enorme asteroide colidir com a lua da Terra, fazendo ela desenvolver anéis como os de Saturno que periodicamente atingem grandes partes do planeta com meteoritos perigosos. Essa zona evacuada é conhecida como Sacrifice Zone (Zona do Sacrifício), e é onde as batalhas do jogo ocorrem enquanto mercenários vão atrás da fortuna coletando os fragmentos da lua.


Mesmo nessa etapa inicial do jogo, é incrível ver os meteoros — rochas verdes brilhantes com rastros longos de fumaça — caindo dos céus durante uma partida. Pegá-los dá a você habilidades Sigma, que são poderes especiais que podem ajudar a mudar o rumo de uma batalha. Atualmente, a única habilidade Sigma é a Sigma Wave (Onda Sigma), que possibilita empurrar jogadores para longe de você. Você também pode usá-la para se proteger contra dano de queda ou se projetar mais alto no céu.   


SHRAPNEL se parece e roda bem igual a um jogo de tiro militar de grande sucesso, e na versão STX, não dá realmente para discernir o que é feito no blockchain. Mas eventualmente, a Neon Machine vai deixar os jogadores criarem aparências únicas para armas e equipamentos, torná-las tokens não fungíveis (NFTs) que possam vender ou negociar entre si, além de mapas personalizados. Long descreveu isso como ter "uma caixa gigante de peças de LEGO de NFTs". SHRAPNEL também terá a própria criptomoeda, o SHRAP, que poderá ser obtido por meio do mercado e usado para promover criações feitas por jogadores para o resto da comunidade ou até patrocinar torneios (e receber uma parte da premiação no processo).


Porém, não precisa ser um especialista em Web3 para jogar SHRAPNEL; você não precisa nem mexer com a criptomoeda se não quiser. Criar um FPS atraente é a prioridade da equipe, porque se para começo de conversa o jogo não é divertido, então nenhum dos recursos de blockchain vai importar.


"Nosso trabalho, francamente, é apenas sermos receptivos ao máximo para quem quiser participar disso, seja um jogador de Web2 ou de Web3", diz Johnson, "E depois, lentamente e com o tempo, ajudá-los a entender a importância de estarmos fazendo o que estamos fazendo [com a propriedade de itens digitais]."

 

shrapnel

Construindo com a comunidade


Embora as sessões de STX contenham a versão básica do SHRAPNEL — só existe um modo de "todos contra todos" no momento —, ainda é bem divertido se você conseguir ignorar os bugs e outras falhas que acompanham um jogo em desenvolvimento. A sensação de jogar com as armas é boa, e é emocionante e estressante tentar se extrair com seus fragmentos Sigma preciosos sem morrer. Em certo ponto, eu estava tão nervoso por causa do tanto de meteoritos que coletei que sai correndo sem pensar para a zona de extração enquanto o tempo se esgotava. Em segundos, um atirador de elite entocado em um telhado próximo me matou, deixando meus espólios no chão para quem quisesse pegar.


Também gostei de simplesmente explorar o mapa de STX Yomi, que é uma mistureba fascinante de elementos que representam o presente e o futuro do SHRAPNEL. Em relação ao futuro, há uma pequena parte do mapa que a equipe chama de "cantinho maravilhoso", uma área da cidade que mostra aos jogadores a complexidade de detalhes e fidelidade que a Neon Machine está buscando para atualizações futuras. Há uma cratera colossal no meio de uma intersecção, vibrando com energia verde, e a área inteira passa uma sensação de cyberpunk com os letreiros brilhantes em japonês e as construções parcialmente destruídas.


"Tínhamos dois objetivos ao entrar na primeiríssima STX. Um era dar aos jogadores um gostinho da nossa intenção ao dizermos que é um jogo de tiro em primeira pessoa AAA, e é essa a intenção do cantinho maravilhoso, deixar as pessoas saírem por aí e vê-lo", diz Johnson.


"E quando estão nas outras áreas que não são tão bem acabadas ou bem longe de estarem acabadas, eles mentalmente se lembram do cantinho maravilhoso e dizem, 'Sei qual é a ideia futura deles. Mal posso esperar para ver esta área ficar do mesmo jeito.' Também é uma forma de aprimorarmos nossa jogabilidade rapidamente."


A Neon Machine já uniu uma vasta comunidade por meio de contas de redes sociais e do servidor oficial de SHRAPNEL do Discord, que já tem mais de 120.000 membros. Apenas uma pequena parcela desse número (cerca de 3.000) estão jogando o jogo atualmente, mas mesmo as pessoas que não estão participando ainda falam com a equipe e ajudam a votar em decisões importantes de design.


"Uma coisa que notei sobre a comunidade de Web3 é que estão submersos nisso, e em um nível diferente que o da minha experiência [anterior] em desenvolvimento de jogos", diz Long. "Gosto de dizer assim: 'Ou você é um palhaço ou um deus para o jogador'. Não existe meio-termo. E aqui, há jogadores que têm uma grande sensação de propriedade, como se estivessem aqui desde o início, coletando personagens e as gamertags deles. Eles têm um nível de investimento diferente."


A equipe também aprecia o feedback superespecífico que conseguem dessa pequena parcela de jogadores por meio de pesquisas e bate-papos do Discord. Johnson diz que estão no "modo coleta de informações" com as sessões de STX, vendo o que as pessoas odeiam ou não gostam e para onde mais se direcionam no jogo, e assim fazendo alterações com base nessas respostas. Isso vai ajudar a equipe a otimizar o SHRAPNEL o máximo possível antes de abrirem o Acesso Antecipado para quem quiser jogar posteriormente neste ano, algo que, diferentemente das STX, sempre vai ficar online, incluindo também novos operadores e sistemas de progressão.

shrapnel

A Neon Machine está sendo igualmente cuidadosa ao soltar os tokens de SHRAP lentamente, bem como o resto da economia de blockchain do jogo. Assim que estiverem todos lançados, não vai ser possível retomar ou redefinir algo assim, pois dinheiro de verdade estará envolvido.


"Existe um termo no desenvolvimento de jogos — engatinhe, ande, corra — que as pessoas usam bastante. Mesmo que leve um pouco mais de tempo do que estamos totalmente confortáveis, ainda queremos permanecer na fase de engatinhar para garantir que as coisas corram bem na hora de lançar esses [recursos], especialmente quando algo tem valor no mundo real", diz Johnson.


SHRAPNEL já está disponível no Acesso Antecipado (por meio de compras do Pacote de Extração) na Epic Games Store.


Navegar53 Comente0
return
Table of contents
return
primeira página
Grand Theft Auto V-(2) Terror analógico que desorienta chega ao Dead by Daylight

Comente